Projetos Científicos e de Divulgação Científica

Vigentes

2012 -

Projeto Andar de Novo

O Projeto Andar de Novo nasceu com a missão de criar o primeiro exoesqueleto controlado pelo cérebro humano, para possibilitar que pessoas com paralisia de membros inferiores pudessem andar a partir da imaginação de seus próprios passos. Resultado da pesquisa colaborativa do consórcio internacional do Walk Again Project, o exoesqueleto foi desenvolvido com sucesso, apresentando, além do controle cerebral, um sistema de estimulação sensorial que provê ao usuário a sensação de que seus próprios pés pisam ao chão durante a caminhada. A funcionalidade do exoesqueleto foi demonstrada publicamente na cerimônia de abertura da Copa do Mundo do Brasil em 2014 por um dos voluntários da pesquisa que desferiu o chute inaugural deste evento (e sentiu o toque da bola no pé!).


Além do desenvolvimento do exoesqueleto, o Projeto Andar de Novo foi responsável por outros dois resultados inéditos, de grande impacto científico, e com enorme potencial para ajudar pessoas acometidas pela lesão medular: a criação do Protocolo de Neuroreabilitação - uma rotina de treinos que combina o uso de interface cérebro-máquina, realidade virtual e substituição sensorial, e que aplicada de forma sistemática e em longo prazo, causou melhora neurológica parcial dos voluntários paraplégicos - e o sistema de estimulação elétrica muscular controlado pelo cérebro – uma tecnologia que possibilita ao usuário paraplégico andar a partir do controle cerebral, e com mínima assistência.


A primeira fase do Projeto Andar de Novo foi realizada entre dezembro de 2012 e junho de 2019, financiada com recursos da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos). Atualmente uma nova fase deste projeto está sendo implementada, ainda com foco na aplicação das interfaces cérebro-máquina na neuroreabilitação.

Concluídos

2013 - 2014

Programa de Mestrado em Neuroengenharia

O programa de Mestrado em Neuroengenharia, reconhecido e recomendado pelo Conselho Técnico e Científico (CTC) da CAPES, foi mais uma iniciativa da AASDAP para fortalecer o ensino científico, tendo sido o primeiro programa de pós-graduação em neuroengenharia do Brasil. Desde 2014 a coordenação deste programa passou a ser realizada pelo Instituto Santos Dumont (ISD).

2009 - 2017

Instituto de Ciência e Tecnologia Interface Cérebro-Máquina (INCeMaq)

Projeto no âmbito do Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq/MCT, com foco na pesquisa em Interface Cérebro-Máquina (ICM). O projeto teve vigência entre 2009 a 2017 e contou com recursos do CNPq e da FAPERN.


As linhas de pesquisa desenvolvidas no INCeMaq foram: Interface Cérebro-Máquina – desenvolvimento e biocompatibilidade de matrizes de multieletrodos; decodificação da atividade de populações neuronais e geração de comandos para dispositivos; neuromodulação da medula espinha – desenvolvimento de eletrodos de estimulação epidural; avaliação comportamental, eletrofisiológica, e imunohistoquímica dos efeitos da estimulação.


Dentre as pesquisas realizadas no escopo do INCeMaq destacam-se: (i) a primeira demonstração de comunicação cérebro-cérebro, na qual um rato localizado no laboratório da AASDAP em Natal se comunicava por circuitos neurais, com um rato localizado no laboratório na Universidade Duke, nos Estados Unidos; (ii) a demonstração de que a estimulação elétrica medular diminui os déficits motores em primatas não humanos, modelo de estudo de Parkinson; e (iii) as atividades de desenvolvimento tecnológico do Projeto Andar de Novo.


Além da pesquisa básica e aplicada em ICM, o INCeMaq também contou com um programa de iniciação científica para alunos do ensino médio de escolas públicas de Natal e Macaíba denominado Cientistas do Futuro. O Programa Cientistas do Futuro proporcionou atividades com conteúdos científicos na fronteira da ciência e possibilitou a inserção de 54 alunos na prática da coleta e interpretação de dados, na discussão e aplicação de soluções em desafios reais. As atividades do Projeto Cientistas do Futuro estão descritas no fotolivro.

2008

Escola de Altos Estudos da CAPES e do IINN-ELS / UFRN

A 1ª Escola de Altos Estudos da CAPES e do IINN-ELS / UFRN foi uma iniciativa de pesquisadores da AASDAP e professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, com recursos do Programa Escola de Altos Estudos da CAPES e da AASDAP, para promover intercâmbio científico-cultural a estudantes matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu (Mestrado e Doutorado).

A Escola aconteceu de 1º de julho a 29 de agosto de 2008 no Centro de Pesquisa da AASDAP, localizado em Macaíba, RN. Nesse período foram oferecidos nove cursos, ministrados por 23 renomados neurocientistas:

Curso Neuroengenharia
Dr. Alan Rudolph – Adlyfe Inc., EUA
Dr. Gordon Cheng – ATR International, Japão

Curso Memória e Aprendizado
Dr. Susan Sara – Collège de France
Dr. Jan Born – University of Luebeck, Alemanha
Dr. Federico Bermudez-Rattoni – Universidad Nacional Autónoma de México, México

Curso Biofísica Neuronal e Neurotransmissão
Dr. Rick Lin – University of Mississippi, EUA
Dr. David Spray – AECOM, Yeshiva University, EUA
Dr. Evan Evans - UBC, Canadá / Boston University, EUA

Curso Neuroetologia
Dr. Claudio Mello - OHSU, EUA
Dra. Constance Scharff – FU-Berlin / Max Planck, Alemanha
Dr. Asif Ghazanfar - Princeton University, EUA

Curso Neurociência Cognitiva
Dr. Marshall Shuler – Johns Hopkins University, EUA
Dra. Anna Nobre – University of Oxford, Reino Unido
Dr. Mariano Sigman – Universidad de Buenos Aires, Argentina

Curso Processamento Sensorial
Dr. Sidney Simon - Duke University, EUA
Dr. Yves Frégnac – INAF, CNRS, França
Dr. Pedro Maldonado – Universidad de Chile, Chile
Dr. Horacio de la Iglesia – University of Washington, E.U.A.

Curso Neurociência Computacional
Dr. Mikhail Lebedev – Duke University, EUA

Curso Plasticidade Neural
Dr. Gabriel Mindlin - Universidad de Buenos Aires, Argentina
Dr. Erika Fanselow – University of Pittsburgh, EUA

Curso Desenvolvimento e Neuroterapia
Dr. Jean Rossier – École Supérieure de Physique et de Chimie Industrielles, França
Dr. Manuel Kukuljan – Universidad de Chile, Chile

50 alunos de programas de pós-graduação de vários estados brasileiros foram selecionados para participar presencialmente de todos os cursos da Escola, com as despesas custeadas pela iniciativa. Todas as universidades federais e estaduais brasileiras foram convidadas a participar da transmissão online da Escola de Altos Estudos. As universidades interessadas receberam senha de acesso, que garantiu a transmissão das palestras e a interação via chat com os professores em tempo real. O acesso às palestras em tempo real também foi aberto ao público. As palestras foram transmitidas com áudio em inglês (original) e português (tradução simultânea). Durante os dois meses de evento o site da Escola recebeu 611 cadastramentos para acesso às transmissões e foi acessado 11.967 vezes.

2007 - 2011

Sensibilidade do paladar em função ao genótipo e metabótipo

Projeto realizado no Laboratório da AASDAP dentro do Instituto de Estudos e Pesquisas do Hospital Sírio Libanês, como parte de colaboração científica internacional entre Duke University, AASDAP e EPFL, coordenado pela International Neuroscience Network Foundation (INNF) e fomentado pela Nestle Research Center.

O projeto teve vigência entre 2007 a 2011. Como parte da colaboração científica, a AASDAP realizou avaliação médica, testes psicogenéticos do sabor, coleta de urina e sangue dos participantes da pesquisa.

2007

II Simpósio de Neurociência do Instituto Internacional de Neurociências de Natal

O II Simpósio do Instituto Internacional de Neurociências de Natal foi realizado de 23 a 25 de fevereiro de 2007 no Hotel Sehrs em Natal. O Simpósio contou com a participação de 666 inscritos e renomados neurocientistas de todo o mundo, que apresentaram os avanços da pesquisa sobre o cérebro, desde os níveis molecular e celular até a neurobiologia de sistemas, comportamento e neuroengenharia. Para acessar os Anais do II Simpósio clique aqui.

Durante este Simpósio foi anunciada a parceria da AASDAP com a Edmond J. Safra Philanthropic Foundation e a alteração do nome do Instituto Internacional de Neurociências de Natal (IINN) para Instituto Internacional de Neurociências de Natal – Edmond e Lily Safra (IINN-ELS).

2007

Regulação dopaminérgica do sono REM / Mecanismos córtico-estriatais subjacentes à disfunção motora relacionada à dopamina

Projetos desenvolvidos nos Centros de Pesquisa do Rio Grande do Norte como parte da parceria entre a AASDAP e a Fundação Edmond Safra.

Recursos da Fundação Edmond Safra possibilitaram a implementação e manutenção de espaços especializados para pesquisas sobre Parkinson nos Centro de Pesquisa de Natal (biotério de camundongos selvagens e DAT-KO, modelo parkinsoniano, laboratório de biologia molecular e centro cirúrgico para camundongos) e no Centro de Pesquisa de Macaíba (biotério de primatas, equipamentos para cirurgia e experimentação de modelos parkinsonianos) assim como a aquisição de equipamentos e consumíveis necessários para estas pesquisas.

2006 - 2012

Polo Neurotecnológico com Foco em Interfaces: Cérebro-Máquina, Aprendizado, Sono e Linguagem

Projeto apoiado pela FINEP, vigente entre 2006 a 2012, com participação da AASDAP, UFRN e Hospital Sírio Libanês.

Este convênio contribuiu com a implementação do primeiro Centro de Pesquisa da AASDAP em Natal, por meio da aquisição de equipamentos e consumíveis que possibilitaram estudos de biocompatibilidade para interfaces cérebro-máquina, imunohistoquímica em roedores e primatas não-humanos, aprendizado, sono e linguagem. Em parceria com a UFRN, foram realizados estudos comportamentais e de neuroanatomia de animais experimentais. Em parceria com o HSL foi realizado estudo de testes de eletrodos em cérebro de pacientes com Parkinson, visando o tratamento de distúrbios motores.

2004

I Simpósio de Neurociência do Instituto Internacional de Neurociências de Natal

O I Simpósio do Instituto Internacional de Neurociências de Natal foi realizado de 03 a 07 de Março de 2004 no Hotel Pirâmide em Natal.


Este evento reuniu cerca de 300 participantes e célebres cientistas como Erwin Neher (Max Planck Institute, prêmio Nobel de Medicina em 1991), Susan Greenfield (Oxford University), Idan Segev (Hebrew University), Jon Kaas (Vanderbuilt University), Mriganka Sur (Massachussets Institute of Technology), entre outros que vieram à Natal para apresentar e discutir os principais avanços científicos na neurociência, os novos rumos da ciência no Brasil, e também para apoiar o lançamento oficial do projeto do Instituto Internacional de Neurociências de Natal.


Para acessar os Anais do I Simpósio clique aqui.

2003 – 2005

Implementação do Instituto Internacional de Neurociências de Natal

O Instituto Internacional de Neurociências de Natal (IINN) foi idealizado com base na demonstração de que países que investem em ciência alcançam grandes mudanças sociais, refletidas pelo crescimento de seu produto interno bruto (PIB). Desta forma, o investimento em ciência poderia ser a chave para a diminuição das desigualdades econômicas e sociais existentes entre o Brasil e os países desenvolvidos, mas principalmente para diminuição das desigualdades existentes dentro do Brasil, entre suas regiões geográficas.


Neste contexto, o projeto do IINN teve como objetivo principal estabelecer um “Campus do Cérebro” em uma região brasileira com baixos índices de desenvolvimento humano (IDH), e localizada fora do eixo Rio - São Paulo de investimentos em Ciência e Tecnologia (C&T). Esse campus - contendo centros de pesquisa científica, educação, e saúde – possibilitaria que a ciência ali produzida permeasse e transformasse a comunidade local através da educação, do cuidado à saúde, e do desenvolvimento tecnológico.


O local escolhido para o estabelecimento do IINN foi a grande Natal, no nordeste brasileiro. Em prol da ciência e do desenvolvimento da nação, o IINN atrairia recursos para uma região historicamente negligenciada não só em investimentos de C&T, mas também em educação e saúde.


A implementação do IINN aconteceu entre 2003 e 2005, num processo que abrangeu a captação de recursos e parcerias, a criação de uma organização jurídica para gestão do projeto, e a definição de estratégias para o início das atividades.


Os primeiros recursos para a viabilização do IINN foram conseguidos pelo Dr. Nicolelis junto a Universidade Duke, Fundação Avina, Hospital Infantil Sabará, Hospital Sírio Libanês, e parcerias com o governo federal. Outros recursos foram captados no período através da iniciativa de apoiadores individuais. Parcerias importantes também foram estabelecidas com a UFRN e com a prefeitura de Macaíba, resultando na doação de terrenos localizados nas imediações da Escola Agrícola de Jundiaí, no município de Macaíba (29km de Natal), para construção do Campus do Cérebro e do Centro de Saúde.


Por sua grandeza e inovação, o projeto do IINN recebeu destaque em jornais locais, nacionais e internacionais, inclusive na Nature e na Science, duas das maiores revistas científicas do mundo. Em março de 2004, durante o I Simpósio do IINN, o projeto foi oficialmente lançado, com o apoio presencial de célebres neurocientistas do mundo todo.


A partir da constituição da Associação Alberto Santos Dumont para Apoio à Pesquisa (AASDAP) em abril de 2004, a implementação do IINN avançou com uma proposta de trabalho alternativa. Diante da perspectiva de atraso do início das obras do Campus do Cérebro, a AASDAP iniciou o estabelecimento de unidades piloto do IINN. Com isso, as atividades de pesquisa, educação e saúde puderam ser iniciadas respectivamente em 2005, 2007 e 2008, em Natal e em Macaíba. Ao longo dos anos, o estabelecimento de parcerias e projetos, possibilitou que estas unidades se tornassem centros de referência, comprovando a viabilidade do IINN, mesmo em seu formato “alternativo”.